quarta-feira, 15 de julho de 2015

Os Benefícios da Dieta Japonesa


A alimentação tradicional japonesa é muito recomendada para quem deseja manter-se em forma. Mas existem múltiplos benefícios nesta dieta: rica em antioxidantes e ácidos Ômega 3, previne doenças coronárias e o envelhecimento precoce.

Arroz, missô, wasabi, chá, algas e, é claro, muito peixe. Esta parte da dieta japonesa é, à primeira vista, uma lista de muitos ingredientes saudáveis para o organismo. Além disso, exclui dois dos venenos da má dieta ocidental: o excesso de açúcar e gorduras saturadas. Não é de estranhar que muitos a assinalem como um sistema de alimentação equilibrado. Ou ainda, quem a vejam como uma dieta interessante dieta para perder peso. De fato, no Japão só há 3,9% de obesos, contra os 33,8% de norte-americanos com este problema e 18% dos brasileiros.

Mas se comer como os japoneses ajuda a perder peso, adotar alguns de seus hábitos alimentares pode ser um primeiro passo na busca de uma alimentação consciente. Algo tão trivial como usar os palitos (rashi) como talheres ajuda a ingerir os alimentos num ritmo comedido e não a engolir rapidamente. Além disso, as porções costumam ser menores, ao contrário do gosto ocidental, onde quanto maior o prato, melhor. O resultado é que, quase sem esforço, se come de um modo mais lento, dando tempo para que o cérebro reconheça a sensação de saciedade. A consequência imediata é uma digestão mais simples, uma menor sensação de inchaço, e menos gases.

Esta dieta também está associada a uma maior longevidade. Um bom exemplo são os habitantes de Ogimi (no arquipélago Okinawa) cuja longevidade é atribuída à sua dieta. Realmente, ao mudar-se para outras cidades e modificar seus hábitos alimentares, este índice de longevidade diminui. Com seu consumo generoso de salmão e atum recebem um aporte importante de ácidos graxos Ômega 3, especificamente, EPA (ácido eicosapentanóico) e DHA (ácido docosahexanóico). Estes ingredientes, além de garantir uma boa saúde para a pele, o cabelo e as unhas, são essenciais para a boa saúde interna do organismo. O EPA contribui para o funcionamento correto do sistema circulatório e o cérebro, o que, em termos de saúde, é um seguro de vida contra doenças coronárias. O DHA protege o sistema nervoso e a retina, e ajuda no bom desenvolvimento fetal.

A pele imaculada das japonesas é fruto, além da sua paixão pela cosmética e sua obsessão por evitar os raios solares, de uma alimentação rica em antioxidantes, vitaminas e oligoelementos. Ou seja, a brigada perfeita contra os radicais livres e o envelhecimento precoce. Essa dieta dispensa quase totalmente a carne e os produtos lácteos, e dá preferência a frutas e verduras, mais um mix de algas e ervas. As algas têm poucas calorias e são ricas em potássio, cálcio, ferro e iodo. Em resumo, isto se traduz numa pele mais saudável e com menos rugas.

A pele – e o resto do organismo – também agradece a quase ausência do açúcar. Assim se evita a glicação dos tecidos (uma das principais causas da formação de rugas) e outros transtornos metabólicos como o diabetes. Trocar a panificação industrial típica da má dieta ocidental pelo arroz ou as massas orientais de baixo índice glicêmico evita as flutuações da glicose - e a inevitável compulsão por comida para neutralizar estas alterações.

O chá verde não fermentado ganha de goleada do café. E o organismo agradece: tem propriedades antioxidantes e epigadocatequina galato (EGCG), que pode prevenir doenças. Esta substância desaparece no processo de maturação, no qual o chá verde se converte em chá preto.

Outra vantagem a ser ressaltada para o público feminino: o alto conteúdo de L-triptófano da soja contribui para aliviar alguns dos distúrbios próprios da TPM (inchaço, cansaço, etc.).

Mas é tudo vantagem mesmo, nesta dieta? Parece que não. Ao menos, se você não é oriental, e ficar obcecado com este tipo de dieta. Um estudo publicado na revista Nature, pela equipe do pesquisador Jan-Hendrik Hehemann, da Universidade de Pierre y Marie Curie, notava que os japoneses digerem melhor esta comida pela presença da porfirasa, um tipo de enzima digestiva inexistente nos povos europeu e americano, e vital para processar os porfiranos, os hidratos de carbono próprios da alga nori. É precisamente esta alga que se utiliza para envolver o peixe e o arroz nos makis. Segundo isto, comer gulosamente, todos os dias à japonesa, e sem limites, longe de nos fazer bem, poderia ter efeitos secundários desagradáveis. A pele pode se tornar sensível e reativa, especialmente na área das bochechas e sulco nasolabial. Também pode ocasionar ressecamento labial, principalmente o inferior. Além disso, o consumo excessivo de atum e salmão pode provocar um aumento de metais pesados no organismo. Portanto, como nunca é demais lembrar, nada que é consumido em excesso faz bem. Evitar o açúcar e gorduras saturadas, comer vegetais e pouca carne vermelha, e, finalmente, comer com moderação são lições da dieta japonesa que podem ser seguidas tranquilamente no ocidente.

Fonte: http://saudesemgluten.blogspot.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, tudo bem?
Obrigada por visitar o iEu Recomendo!
O que achou da postagem?
Deixe sua opinião, ela muito importante para nós. :)